A Major League Soccer após dez rondas

Cooper-Sounders

A fase regular da principal competição de clubes norte-americanos (e canadianos) chegou à sua décima jornada, no passado fim-de-semana. Já houve espaço para surpresas, confirmações e muitos golos. Segue-se uma listagem de oito apontamentos que ilustram aquilo que se tem passado na Major League Soccer em 2014.

1. Líder de extremos. No topo da classificação encontramos os Seattle Sounders FC, donos de uma estatística bastante invulgar. Acumulam o registo de melhor ataque da prova (22 golos marcados) ao da pior defesa (19 golos sofridos). O técnico ‘Sigi’ Schmidt continua a apostar numa formação predominantemente ofensiva, completamente desequilibrada, e os números mostram isso mesmo.

2. Finalistas mantêm-se fortes. Sporting Kansas City e Real Salt Lake não perderam a competência que os levou a disputarem o título na última temporada. A luta pelo troféu da fase regular envolverá certamente os dois emblemas. Javier Morales, Kyle Beckerman e Graham Zusi elevam a fasquia do campeonato, jornada após jornada.

3. A superação em New England. Sem golos marcados nos primeiros três encontros, chegou a pensar-se que a saída de Juan Agudelo havia sido letal para as aspirações do conjunto de Boston. A lesão de José Gonçalves, melhor defesa de 2013, veio piorar a situação, mas o jovem grupo descobriu novas formas de ultrapassar as dificuldades e está na quarta posição da classificação geral com mérito próprio.

4. Montreal regista impacto negativo. Os seis pontos que os canadianos somam neste momento dão direito ao último lugar. Cenário pouco surpreendente, tendo em conta aquilo que não se passou na offseason. As unidades que deixaram o Montreal Impact não foram substituídas, nem em quantidade, nem em qualidade. Tarefa ingrata para o treinador Frank Klopas, forçado a trabalhar com o pior plantel da competição.

5. Portland e Philadelphia desiludem. Ambas as equipas obtiveram apenas um triunfo até agora, situação extremamente desapontante que as coloca no fundo da tabela. Os Timbers apareciam decididos a lutar pelo título final, mas as contratações saíram ao lado, e nem Diego Valeri lhes vale. No caso dos Union, o técnico John Hackworth optou por dispensar o jovem goleador Jack McInerney, e coincidência ou não, os golos não têm surgido com frequência.

6. Wright-Philips é o parceiro certo para Henry. Depois de Luke Rodgers, Kenny Cooper ou Fabian Espindola, o francês Thierry Henry encontrou finalmente a sua cara-metade. Chama-se Bradley Wright-Phillips. Nove tentos do avançado inglês tornam-no o melhor marcador da competição. Henry soma três remates certeiros e quatro assistências para golo, estatística que desvenda o entendimento perfeito entre os dois jogadores.

7. Erick Torres merece estar numa equipa vencedora. O jovem mexicano do Chivas USA continua a exibir-se bastante acima dos restantes colegas, e o seu instinto goleador é notável. Oito dos doze golos do conjunto californiano são da sua autoria. O talento de Torres faz prever outros desafios competitivos, e futuras oportunidades na seleção mexicana. Um jogador a observar.

8. Menção honrosa para DC United. A prestação desastrosa verificada na época transata só poderia resultar numa profunda transformação do plantel. O risco esteve sempre iminente durante todo o processo, mas parece que as coisas estão a dar certo. Capitaneados pelo influente Bobby Boswell, o grupo continua a trabalhar na construção de uma verdadeira equipa, e o acesso aos Playoffs não parece tão impossível quanto isso.

Fotografia: stoppagetimesoccer.net

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>